Os 7 hábitos das pessoas de sucesso

Quer ser uma pessoa eficaz, mais produtiva e melhor? O autor Stephen R. Covey identificou 7 hábitos das pessoas de sucesso. Adoptando esses hábitos, você poderá instaurar novos hábitos que lhe permitirão escapar da inércia e atingir seus objetivos na sua vida privada como no trabalho.

Hábito 1. Seja proativo

Ser proativo significa tomar a responsabilidade por sua própria vida – exercitar a habilidade de selecionar sua resposta frente a qualquer estímulo. Isto implica comportar-se segundo sua decisão consciente, baseado nos seus valores, e não nas condições nas quais se encontra, nem na forma como foi criado, nem na sua carga genética.

Uma pessoa proativa é guiada pelos seus próprios valores, diferente da pessoa reativa, que entrega o controle de suas decisões, deixando que o comportamento e as opiniões dos outros lhe digam como deve se sentir.

Uma vez que entenda esta diferença, ficará claro por que ninguém pode fazê-lo sentir-se mal, a menos que você o permita.

Esta verdade, porém, não é fácil de aceitar, ainda mais se você está acostumado a colocar a culpa nos outros pelo seu azar e por seus problemas. Uma vez que admita “estou aqui pelas decisões que tomei ontem”, pode então declarar “escolho ser alguma outra coisa amanhã”.

Hábito 2. Comece com o fim em mente

Este é o hábito da liderança pessoal, que indica a necessidade de começar cada dia com um claro entendimento dos seus objetivos e destinos desejados.

É necessário entender que todas as coisas são criadas duas vezes. Pense na construção de uma casa – antes de começar a construção, se desenha um plano (a primeira criação). Após isso, constrói a casa (a segunda criação). Nos negócios funciona igual: a primeira vez, você define o que deseja conseguir, depois disso desenha todas as partes do negócio para conseguir o objetivo.

Isto explica a diferença entre liderança e gerência. A liderança deve vir primeiro. A liderança implica concentrar-se na pergunta “o que quero conseguir?”, a diferença da gerência que se baseia em “qual é a melhor forma de conseguir o que quero?”. O hábito 2 cobre o “o que quero conseguir” (liderança), e o hábito 3 o “qual é a melhor forma” (gerência).

Hábito 3. Coloque as coisas mais importantes primeiro

UrgenteNão urgente
ImportanteI

Crises, projetos com data limite

II

Prevenção, relações, planificação, recreação.

Não importanteIII

Interrupções, ligações, atividades populares.

IV

Algumas ligações, algum mail, atividades de lazer.

O hábito 3 nos leva ao campo do controle do tempo. Para ser realmente efetivo, é necessário organizar seu tempo ao redor das suas prioridades.

Considere o seguinte quadrante, que leva em conta dois fatores: 1) Importância: o quão crítica é uma atividade para sua missão e seus valores, 2) Urgência: o que insistentemente precisa da sua atenção.

Toda atividade no quadrante I é importante e urgente, tal como uma crise, uma reunião chave para um projeto, etc.

Uma atividade no quadrante II é importante, mas não urgente. Inclui atividades de manutenção, aprendizagem contínua, planificação estratégica, construção de relações etc.

No quadrante III, as atividades são urgentes, mas não importantes. O telefone tocando, ou um email, exigem sua atenção, mas não estão conectadas com suas prioridades.

Finalmente no quadrante IV estão as atividades que não são nem urgentes, nem importantes: tarefas que o mantém ocupado.

As pessoas que passam a maior parte do seu tempo no quadrante I vivem uma crise atrás outra. Quando sobrevivem a uma crise, tem outra esperando por elas. Para escapar da pressão, vão ao quadrante IV perdendo tempo, o que aumenta o nível de stress antes de voltar para o quadrante I.

Outras pessoas frequentam o quadrante III, controlando atividades urgentes, mas não importantes. Lembre-se que estas atividades são urgentes só porque são importantes para outro.

A pessoa eficiente evita os quadrantes III e IV, trata de minimizar as atividades do quadrante I, para passar a maior parte do seu tempo no quadrante II.

Hábito 4. Pense em Ganhar/Ganhar

Os hábitos do 1 ao 3 tratam de “vitórias privadas”, como trabalhar para desenvolver o seu caráter. Os hábitos 4 ao 6 o levaram a “vitórias públicas”, como desenvolver a personalidade para ter sucesso trabalhando com outras pessoas.

O hábito 4 implica que ambas partes em qualquer acordo devem sair beneficiadas. Está baseado no paradigma segundo o qual a vitória de uma pessoa não necessariamente acontece as custas da derrota de outra.

A alternativa a ganhar/ganhar é perder/perder. Se um ganha e o outro perde, nenhum dos dois obtém a confiança e lealdade do outro a longo prazo. Quer dizer, você pode ganhar fazendo a outra parte perder, mas isso afetará a próxima negociação.

Se não pode alcançar um trato ganhar/ganhar, é preferível não fazer o trato. Pelo menos mantém a relação, abrindo o campo para um acordo ganhar/ganhar no futuro.

Hábito 5. Procure primeiro entender, e depois ser entendido

Este é o hábito da comunicação efetiva. É também o hábito mais emocionante, e que pode colocar em funcionamento de forma imediata.

A maioria das pessoas passa sua vida aprendendo a se comunicar em forma escrita ou falada, mas tem pouco treinamento em escutar – em entender verdadeiramente a outra pessoa desde seu próprio marco de referência. É pouco comum a pessoa que escuta com a intenção de entender. Geralmente se escuta com a intenção de responder.

Escutar com empatia é uma ferramenta muito poderosa e lhe proporciona informação exata com a qual trabalhar. Em lugar de filtrar o que a pessoa fala pelo filtro com o qual você olha o mundo (ou mais bem escuta), tem que entender como a outra pessoa o vê.

Depois da necessidade física de sobreviver, a necessidade mais importante de uma pessoa é a de sobreviver psicologicamente – ser entendido e apreciado. Ao escutar com empatia, você estará satisfazendo essa necessidade. Uma vez que a pessoa tenha suas necessidades básicas cobertas, ela baixa as suas defesas e pode então influenciá-lo e trabalharem juntos numa solução ganhar/ganhar.

Hábito 6. Crie sinergia

Sinergia significa que o todo é mais do que a soma das suas partes. O hábito de sinergia implica então a cooperação criativa e o trabalho em equipe: as pessoas com mentalidade ganhar/ganhar, e que escutam com empatia, podem aproveitar suas diferenças para gerar opções que não existiam antes.

Reunir várias perspectivas diferentes, no espírito do respeito mútuo, traz como resultado a sinergia. Os participantes sentem a liberdade de procurar a melhor alternativa possível, e com frequência conseguem propostas diferentes e melhores que as originais.

A sinergia é um método para resolver problemas baseado em recursos humanos, em contraposição com o método baseado em relações humanas. Este último é utilizado por pessoas inseguras que tendem a ter em volta gente que pense igual e que constantemente tendem a concordar ou aprovar tudo o que se diga. Confundem uniformidade com unidade.

Hábito 7. Afine o instrumento

É o hábito da auto renovação, a manutenção básica necessária para manter os hábitos restantes funcionando adequadamente.

A efetividade se consegue quando se pode manter o equilíbrio entre a produção e a capacidade de produção. Porém, é frequente que as pessoas estejam demasiado ocupadas produzindo (serrando) para prestar atenção à manutenção do seu meio de produção (afiar a serra). A razão pela qual isto ocorre é que a manutenção poucas vezes produz dividendos importantes de forma imediata.

Afiar a serra implica a invenção de um programa balanceado, sistêmico, para a auto renovação em quatro áreas fundamentais. Deve dedicar pelo menos uma hora cada dia trabalhando nelas:

  • Dimensão física: inclui exercício físico, nutrição e controle do stress. Ao comer adequadamente, e exercitar-se 30 minutos por dia, conseguirá melhorar sua força e resistência em forma proativa. Se não o fizer, seu corpo se debilitará.
  • Dimensão espiritual: renovar seu compromisso com seus valores (do hábito 2) pelo meio da revisão da sua missão pessoal, ou por meio do rezo, meditação, ou imersão em música, literatura, ou natureza. Se não o fizer, seu espírito será insensível.
  • Dimensão mental: sua mente se “afia” por meio de atividades como leitura, escritura e planejamento. Também se consegue seguindo os hábitos 2 e 3, começar com um fim em mente e colocando primeiro o primeiro. Se não o fizer, sua mente funcionará como uma máquina.
  • Dimensão social/emocional: enfocar-se nos hábitos 4, 5 e 6, utilizando-os nas interações diárias com os outros.

* Fonte: “Os 7 hábitos das pessoas altamente eficazes”, de Stephen R. Covey.

Steven Anthony, psicologo, life coach e terapeuta Dicas escritas por Steven Anthony, Life Coach, Psicólogo e Terapeuta da Life Terapias (Guarujá, SP). 

Artigo original: www.lifeterapias.com.br